Pages

sábado, 18 de julho de 2015

Deus não é homem para que minta

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2Tm.3.16-17)

Juninho, um adolescente de 12 anos, ouviu os amigos comentarem sobre um show que ocorreria durante a madrugada do sábado seguinte. Empolgado com a ideia de estar com a turma, Juninho pede ao pai para que o deixe ir. O pai sabe que não será bom, pois nem Juninho tem idade adequada para estar na rua durante a madrugada nem o ambiente é propício para ele nem as amizades dele são boas companhias; e, portanto, Juninho corre o risco de ser mal influenciado. Assim, Juninho recebe um não paterno, acompanhado das explicações. Contudo, ele não se dá por satisfeito com a decisão do pai e corre para a mãe para que o deixe ir. Começam os argumentos para convencer a mãe de que não há problemas em ir ao show e, assim, Juninho quer invalidar a palavra do pai. Após ouvir todos os argumentos do filho, a mãe pergunta: - O que seu pai disse? Juninho responde: - Ele disse que não. Então, a mãe diz: Não é não, meu filho. Seu pai já deu a resposta e eu não posso anular aquilo que ele disse.
Algo semelhante acontece em nossos dias dentro do cristianismo. As pessoas estão recorrendo às “mães” para invalidar a Palavra de Deus e, assim, conseguir fazer a própria vontade. Uma série de movimentos dentro, e às margens, do cristianismo trouxeram para as igrejas o subjetivismo e relativismo doutrinário. E mesmo que tais movimentos sejam bastante distintos, é possível encontrar um ponto em comum: para todos eles, as Escrituras não são a Verdade absoluta, inerrante, infalível, suficiente e autoritativa dada por Deus para conduzir a igreja por todas as gerações até a volta de Jesus. As Escrituras não se encontram no centro da vida diária deles. A Palavra de Deus não é a regra de fé e prática dessas comunidades. Alguns adeptos poderão protestar nesse momento, mas não poderão negar que suas igrejas praticam o relativismo e subjetivismo doutrinário, pois invalidam a Palavra de Deus por qualquer sonho que tenham, e tornam os próprios sentimentos mais importantes e autoritativos do que os ensinos objetivos das Escrituras Sagradas. Desta forma, demonstram que a Palavra de Deus não é a Verdade absoluta para eles.
Para o evangelicalismo de nossos dias, as igrejas que estudam, vivem e ensinam a Palavra de Deus com fidelidade e zelo são consideradas “frias”, pois ser “quente” é pular, dançar, falar de forma que ninguém compreenda, gritar sem prestar atenção ao culto e à mensagem, e viver atrás de “profetadas” de falsos profetas, pois não é suficiente o que Deus disse em sua Palavra. As Escrituras, por exemplo, são enfáticas em mostrar os problemas do casamento misto (Gn.6.1-6; Dt.7.3-4; Js.23.12-13; 1Rs.11.1-9; Pv.19.14; 31.30; Ed.9.1-2; Ne.13.23-27; Ml.2.11; 1Co.7.39; 2Co.6.14-18; ), mas a menina apaixonada encontra mil e umas desculpas para justificar um relacionamento entre luz e trevas. A Palavra de Deus proíbe, permanentemente, a liderança feminina, nunca presente na vida da igreja de todas as gerações, portanto a mulher não pode ser pastora ou presbítera em hipótese alguma (1Tm.2.11-15), contudo se alguém disser que teve algum sonho, visão, desejo ou “calafrio”, simplesmente invalida todo o ensino Bíblico para fazer a própria vontade, supostamente, em nome de Deus. Desta forma, as Escrituras são facilmente negligenciadas pelas opiniões pessoais. Sem as Escrituras governando, de forma absoluta, o coração dos pecadores, cada um faz o que acha mais reto, semelhante aos dias de juízes (Jz.21.25).
No entanto, “Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá?” (Nm.23.19). Quando alguém diz que Deus lhe revelou algo diferente e contrário do que está escrito na Palavra de Deus, essa pessoa está chamando Deus de mentiroso, pois está ensinando que Deus desfez sua própria Palavra. O que Deus disse está dito e ninguém pode anular, diminuir ou acrescentar nada, afinal está escrito: “Nada acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que eu vos mando.” (Dt.4.2 // 2Co.11.3-4 // Gl.1.6-9 // Ap.22.18). O papel da igreja é conhecer a Palavra de Deus, obedecê-la fielmente e ensiná-la com zelo e dedicação, “pois aquele que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus” (Mt.5.19). Sem o conhecimento de Deus, a igreja sucumbe no erro semelhante aos saduceus, “não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus” (Mt.22.29). Aquele que deseja viver uma vida cheia do Espírito Santo deve buscar o Senhor na Palavra, examinando “as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” (Jo.5.39), disse Jesus.
Por causa do relativismo e subjetivismo doutrinário, diversas facetas do cristianismo deixaram de adorar a Deus em ESPÍRITO e em VERDADE para viver e ensinar tradições de homens e, assim, em vão adoram ao Senhor, “ensinando doutrinas que são preceitos de homens.” (Mt.15.9). Os sinais ao nosso redor demonstram que estamos vivendo dias de grande apostasia. Entretanto, não devemos temer, pois é necessário que isso aconteça antes da volta do Senhor Jesus (2Ts.2.3). É nesse ambiente de provações que a igreja é desafiada a ser fiel, e os verdadeiros cristãos são revelados, pois enquanto muitos irão após falsos profetas, líderes que proferem mentiras, os verdadeiros cristãos ouvem a voz de Jesus por meio da Palavra de Deus que é pregada fielmente por aqueles que Deus tem chamado para, verdadeiramente, pastorear suas ovelhas. Portanto, não se deixe enganar pela aparência de piedade (2Tm.3.5), antes prove os “profetas”, pois nenhum profeta de Deus falará contra a Palavra de Deus (Mt.7.15; At.20.28-31; 2Pe.1.19-21; 2.1-3; 1Jo.4.1; ), pois o Espírito de Deus nos foi dado para nos guiar a toda Verdade (Jo.16.13). Não tenha dúvida que por mais bonita que seja a aparência e por mais doces que pareçam as palavras, toda mentira procede do diabo que é pai da mentira (Jo.8.44). Conheça, obedeça e confie na Palavra de Deus, pois se Deus disse, Ele cumprirá, pois “Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa” (Nm.23.19).

2 comentários:

  1. Realmente estamos afunilando a cada dia. Bem-aventurado o cristão que ouve a verdadeira Palavra. Deus o abençoe!

    ResponderExcluir