Pages

quinta-feira, 15 de março de 2012

Cristianismo sem cruz

Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm.1.16-17)

O evangelicalismo pós-moderno tem retirado, paulatinamente, alguns vocábulos bíblicos de conteúdos singulares e fundamentais para a fé cristã, trocando-os por jargões evangélicos: a soberania de Deus deu lugar à expressão “está amarrado”, e o diabo passou a ser temido e endeusado; a santificação foi trocada pela “frequência nas programações”, tornando o púlpito num palco para “pop stars” religiosos; a esperança perdeu para a “prosperidade”, e Deus se tornou o “gênio da lâmpada mágica” dos evangélicos; e a justificação deu lugar ao “perdão simplório”, sem preço pago, sem justiça satisfeita, sem sangue derramado.
Pregadores anunciam um evangelho sem cruz; uma salvação sem Cristo; uma nova vida sem a santificação pelo Espírito Santo; um cristianismo sem a Palavra e Deus. As mensagens tornaram-se autoajudas vazias, alimentando o pecado das multidões com psicologias baratas e massagear do ego dos clientes da religião. E, no meio de toda essa religiosidade, lembramos as Palavras do Senhor Jesus: “quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc.18.8).
Em um cristianismo sem cruz, não se ensina às crianças o temor a Deus nem muito menos o respeito aos pais e demais autoridades; os adolescentes brincam com o celular durante os cultos e postam fotos sensuais nas redes sociais; os jovens se prostituem, tem uma vida medíocre, imatura e, ainda, fazem da igreja ponto de encontro para namoricos; os adultos só pensam em dinheiro, saúde e bem-estar, sempre murmurando ou maldizendo, criando mais problemas do que ajudando a solucioná-los; e as lideranças destroem a igreja de Cristo, tornando-a uma empresa eclesiástica com uma política corrompida, reflexo da política nacional. Onde está o evangelho no meio de todo esse evangelicalismo? Ao tirar a cruz, o cristianismo tornou-se insípido, razão para estar sendo pisado pelos homens (Mt.5.13-16).
Contudo, cristianismo não é mera religiosidade, nem muito menos clube de pecadores, e sim a manifestação do poder de Deus para redimir e transformar os pecadores “justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé” (Rm.3.24-25). A graça de Deus se revela no alto preço pago por Cristo na cruz do calvário, sofrendo a ira de Deus, padecendo nas mãos de pecadores. Sem o Evangelho da cruz, os pecadores sentem-se a vontade dentro da igreja, pois não são postos diante da justiça de Deus que se manifestou no calvário.
Tudo isso é decorrente do abandono da cruz de Cristo. Ao deixarem o Evangelho da cruz, os pecadores não convertidos (joio) entraram na igreja pelas brechas deixadas. Como Jerusalém sitiada pelos adversários, queimada e destruída, o cristianismo tem sido invadido pelos inimigos, perdendo sua identidade e santidade provenientes da justiça daquele que pagou o preço da nossa redenção. Por isso, todo tipo de mazela e vergonha tem acontecido dando razão para que o mundo blasfeme do NOME do Senhor (Rm.2.24).
O cristianismo precisa da cruz de Jesus, pois nela Deus venceu o pecado (Cl.2.14; Hb.9.22), expos seus inimigos ao ridículo, despojando-os (Cl.2.15), e, ainda, confronta o pecador, conclamando todos a se arrependerem de seus pecados (At.3.19), se prostrarem perante o Cordeiro de Deus que venceu e viverem uma nova vida por meio de Cristo (Gl.2.20; Cl.3.1-3). Por meio da pregação do Evangelho da cruz, o mundo é dividido em dois grupos opostos: aqueles que odeiam a Cristo e aqueles que se rendem humildemente diante de Jesus. Por meio do Evangelho da cruz, os pecadores são envergonhados, os inimigos expostos, os arrependidos encontram esperança de vida eterna e Deus é glorificado na vitória de seu Filho, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.
Somente pelo poder da cruz de Cristo a igreja pode despertar, pois só em Jesus o Espírito opera eficazmente nos corações, preparando-os para compreenderem o verdadeiro evangelho da graça de Deus. Por meio da cruz de Cristo as “ovelhas ouvem a Sua voz”, pois “Ele chama pelo nome as Suas próprias ovelhas” (Jo.10.3). Por meio da cruz de Cristo, a Palavra de Deus é pregada por algumas poucas “vozes que clamam no deserto”, preparando as ovelhas do Senhor para o encontro com o Sumo Pastor Jesus. E somente por meio da cruz de Cristo, temos paz com Deus e a esperança da vida eterna, pois foi nessa cruz que Cristo pagou o alto preço, cumprindo a santa e justa lei de Deus, satisfazendo a justiça do Senhor, transgredida desde a queda de Adão e Eva.
Por meio do Evangelho da cruz, aqueles que hoje dizem: “Senhor! Senhor!” (Mt.7.21), brincando com o evangelho, desprezando a graça e vivendo segundo suas paixões serão lançados no fogo do inferno por viverem na prática do pecado (Mt.7.23) e aqueles que se arrependeram são justificados pelo sangue do cordeiro e santificados pelo poder do Espírito e da Palavra de Deus, a fim de herdarem as benditas promessas do Senhor; e, se deleitarão na presença de Deus por toda a eternidade. O Evangelho da cruz torna tudo claro e límpido, revelando os mais ocultos segredos dos homens, trazendo ao pecador o maior dos benefícios concedidos pelo Senhor: a vida eterna.
Sem o Evangelho da cruz não há cristianismo, apenas uma religião existencialista. O cristão, portanto, nunca deve esquecer que nossa viva esperança foi alcançada não por meio de “prata ou ouro, [...] mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo” (1Pe.1.18-19). E, reconhecendo o alto preço pago na cruz, os verdadeiros cristãos são capacitados a andarem humildemente com o Senhor, vivendo “por modo digno do evangelho de Cristo”, firmados “em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica” (Fp.1.27); até que venham a ouvir daquele que tudo venceu na cruz: “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; venha e participe da alegria do seu senhor” (Mt.25.21). Só há cristianismo quando o Evangelho da cruz é pregado com fidelidade.

2 comentários:

  1. Olá Rev, me junto a vc nesta oração pela Igreja de Cristo. Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  2. De fato é isto que etá ocorrendo no nosso país. Lamentável. Que Deus tenha misericórdia de nós.

    ResponderExcluir